terça-feira, 22 de julho de 2014

Pecuaristas da Fronteira Oeste debatem produção de carne orgânica

Município de Rosário sedia duas atividades nesta quarta e quinta-feiraEstimular a produção e certificação da carne orgânica é o objetivo de duas atividades que ocorrem nesta semana no município de Rosário, na Fronteira Oeste. Os encontros acontecem nesta quarta-feira (23), às 20h, e nesta quinta-feira (24), às 9h, no Centro de Eventos do município (Praia das Areias Brancas - Av. Adil Bentes, 239). A iniciativa é do programa RS Sustentável, vinculado ao Governo do Estado, que busca mostrar as vantagens de ofertar este produto no mercado local, nacional e internacional, a viabilidade técnica e os benefícios ao consumidor.
O coordenador do programa, Francisco Milanez, se reunirá com o prefeito de Rosário, Luis Henrique Antonello, membros da Associação de Produtores de Ovinos e pecuaristas da região. No encontro também será detalhada a vantagem da região em produzir carne orgânica por estar localizada no bioma Pampa, sistema considerado ideal para a geração desta categoria de produto cada vez mais valorizada no mundo.Reunir o maior número de produtores que desejem fazer a conversão para o modo orgânico está entre as metas do programa RS Sustentável. Aos produtores dispostos a trabalharem com a carne orgânica, o Executivo Estadual vai propiciar assistência técnica, auxiliar na certificação, na promoção e comercialização.Região oferece condições ideaisSegundo Milanez, a carne orgânica pode ter  um acréscimo de até 40% no valor de comercialização e ter menor custo de produção comparado à produção tradicional. Outra vantagem apontada pelo coordenador do RS Sustentável é que a produção nesta modalidade contribui para a preservação do bioma Pampa. “Vivemos no melhor estado para produzir carne orgânica por termos campos nativos de grande qualidade, como os do bioma Pampa, que dispõe de uma variedade de ate 150 espécies nas pastagens que servem de alimentação aos animais”, registra.Um crescente número de consumidores está disposto a adquirir produtos mais seguros, a preços mais altos, observa Francisco Milanez. “As pessoas vêm sofrendo cada vez mais pela contaminação ambiental onde os agrotóxicos constituem a origem de diversas doenças degenerativas e os hormônios usados têm prejudicado de forma assustadora a fertilidade humana”, acrescenta.
Mais saúde e amplo mercadoO sistema de produção orgânica é baseado no respeito ao meio-ambiente, responsabilidade social e sustentabilidade econômica, características de um moderno mercado consumidor que busca produtos que atendam às expectativas em relação à segurança alimentar e ao bem-estar animal.A carne orgânica segue recomendações legais e caracteriza-se por estar livre de contaminações por medicamentos e hormônios; a alimentação dos animais é também orgânica e a criação deve ter níveis considerados cômodos e dignos, como rebanhos não confinados ou privados de convívio com a natureza.Este sistema produtivo passa por auditoria e certificação, garantindo que carne é produzida da maneira mais natural possível, isenta de resíduos químicos e com preocupação socioambiental. Na aparência, a carne orgânica assemelha-se às carnes convencionais. A diferença está no modo de produção, que garante um produto de qualidade muito superior.  No Brasil, é recente a produção de carne orgânica, produzida apenas por duas associações na Bacia Hidrográfica do Pantanal, no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.