quarta-feira, 20 de novembro de 2013

OPINIÃO - Guilherme Nascimento Abib - Presidente do PT de São Gabriel.

A POLÍTICA NA PRÁTICA

Só existe uma maneira de saber se quem fala sobre política, sustenta o que diz na prática, avaliando e comparando com outras práticas de governo. Minha pequena reflexão se dará neste sentido, tentar entender o que mudou na forma de governar em São Gabriel, sob o prisma do que as pessoas falavam sobre quem lhes governavam.

Penso que até agora alguns mitos ruins foram derrubados, vejamos:

1) diziam que um governo não dava seguimento as obras dos antecessores. Pois bem, das poucas obras começadas pelo governo anterior, este governo deu andamento em todas e com mais celeridade, terminou algumas e as demais estão prestas a findar, mesmo as obras eleitoreiras começadas às vésperas das eleições - como o asfalto das sete ruas do Élbio Vargas começado dois dias antes do pleito eleitoral, sem haver dinheiro em conta, obra já concluída pelo atual governo;


2) diziam que faltava articulação para buscar recursos nas esferas de governo. Por isso, antes de completar um ano deste governo, já foi renovada a frota da saúde, que contava com um ônibus velho fabricado em 2002, para mais cinco veículos novos até agora, entre os quais dois ônibus e uma ambulância SAMU. Está por chegar mais uma ambulância e dois carros. Na educação e nas demais secretárias não foram diferente, único município do Estado que recebeu cinco ônibus, e ainda com recursos do IPTU equipou a agricultura e transportes com dois veículos novos;

3) diziam que os governos anteriores não sabiam fazer projetos. Então, este governo até o final de maio protocolou 50 milhões em projetos, muitos deles já confirmados, principalmente na educação onde será investido quase 20 milhões;

4) diziam que o governo passado não respeitava o dinheiro público, gastava mal, não pagava e contratava caríssimo. Por isso que, este governo revisou contratos e baixou custos, mesmo aumentando os serviços em todas as áreas, mais de 100 servidores contratados, mais exames, 1200 consultas a mais por mês, dobro de medicamentos comprados, mais médicos contratados, compra de material adontológico, reforma de escolas, compra de veículos, pagamento de mais de 7 milhões de dívidas herdadas, reforma do maquinário sucateado, etc, etc.. somente até agosto deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, foi menor o gasto em 800 mil, vindo da soma de ações como do gasto em xérox que em relação ao ano passado será 32 mil reais a menos, como a construção de uma ponte (Posto Branco) onde foi gasto 15 mil e estava orçada em mais de 100 mil;

5) diziam que no governo passado o Prefeito não atendia e não ouvia ninguém, tratava os vereadores e seus secretários como arigós e o vice-prefeito recebia e se quer na Prefeitura comparecia. Este governo ouve as pessoas, o Prefeito atende quem for, abriu o gabinete, vai nos Bairros, descentraliza o governo, os funcionários adentram no Gabinete e conversam, são recebidos e ouvidos, o cidadão é tratado com respeito e o vice-prefeito dá expediente e acumula uma secretaria importante, demonstrando que há afinidade e comprometimento na equipe de governo;

6) diziam que no governo passado as pessoas ocupavam cargos sem ter a condição técnica a exemplo do secretário de obras não ter formação na área. Todavia, neste governo cada cargo foi escolhido com a aptidão que a pessoa tem para melhor servir a comunidade, o secretário de obras entende de obras e conversa de igual com seus colegas, o de saúde entende da área, é farmacêutico e assim por diante, o s funcionários de carreira passam a ser respeitados como agentes de transformação;

7) diziam que no governo passado cada secretaria era como uma ilha e que o prefeito só ouvia um secretário. No entanto, neste governo há semanalmente reunião de secretariado, assim como já teve dois seminários, para tratar do programa de governo, das metas a curto, médio e longo prazo, já houve vários mutirões onde vários secretários se ajudam, não existe mais isto é meu, isto é seu, tudo é tratado como de utilidade do povo;

8) diziam que no governo passado para uma pessoa ter acesso a um exame tinha que ter um padrinho, normalmente um vereador. Portanto, neste governo nem secretário e nem vereador influenciam nos procedimentos da saúde, o critério adotado é a ordem de chegada, disponibilidade e necessidade. Terminou os apadrinhamentos, qual só serve em benefício de quem tem influência para tirar proveito político, que só servia para eleger nulidades como um determinado vereador que se elegeu tirando proveito do caos da saúde;

9) diziam que não se buscava apoio no governo passado porque a desculpa era sempre de que não havia dinheiro. Pois bem, este governo não deixou de fazer nenhuma atividade cultural, esportiva e de lazer, todas as agendas do município foram cumpridas, com menos recurso e mais competência, sem desperdício do dinheiro público, a exemplo do carnaval, aniversário da cidade, feiras, semana da Pátria, festas farroupilhas, ações conjuntas Governo Estado como o mutirão solidário;

10) diziam que os governos passados não investiam em qualificação. Porém, este governo já formou neste primeiro ano quase uns mil jovens e adultos - foram diversos cursos em muitas áreas, através do Pro jovem, Jovem Aprendiz, Cursos de Corte e Costura, etc.

11) diziam que no governo passado só os mais apoderados tinham vez. Já este governo, atendeu melhor os ditos "mais abastados", a exemplo da feira agropecuária que recebeu apoio como nunca antes, porém, priorizou o atendimento aos agricultores familiar, mantém agenda semanal para tratar das mais diversas ações (estrada, energia, produção, moradia, associativismo). A realidade dos assentamentos e dos pequenos produtores começa a ter outra forma, já começou a construção de centenas de casas no meio rural e na área urbana, através do programa minha casa minha vida rural e entidades, poços artesianos já foram perfurados e outros estão agendados, açudes estão sendo feitos, o Prefeito está estruturando o projeto da usina de álcool com uso da mandioca, garantindo num futuro próximo renda de mais de 4 mil reais por hectare para pequenos agricultores;

12) diziam que muitos secretários faziam "bico" na Prefeitura, sem comprometimento com a função. Não obstante, a média de trabalho exclusivo diária dos secretários deste  novo governo é de dez horas por dia, de forma indireta é 24 horas, conforme condicionou o Prefeito para uso do cargo;

13) diziam que a mídia era comprometida com o governo a baixo de dinheiro. Todavia, este governo gasta menos da metade do que era gasto com a mídia falada e escrita, não persegue quem o critica, ainda que muitas críticas sejam infundadas, sejam mais fatos distorcidos do que informação correta, mais fofoca do que matéria jornalística, traduzindo, não há mordaça, se exerce a livre manifestação.

Poderia relacionar muitas outras condutas, porém, ficarei por ora nestas 13, número que tanto admiro.

À vista disso, meus amigos e não amigos, com quem quero dividir esta reflexão, não aceitamos quando dizem que pouco está sendo feito, pois, muito já foi feito e este governo está se estruturando para fazer muito mais, e fará, porque é austero, planejado e comprometido. O motivo dá forte oposição, é perceber algumas das mudanças que exemplifiquei acima, aliás, está também é a razão pela qual a oposição e seus admiradores criticam os agentes políticos atuais por falarem no governo passado. Ocorre que as mazelas de anos de má administração, é conseqüência de muitas ações que este governo gostaria de colocar a disposição das pessoas e não pode, por isso, além de muito trabalho, devemos seguir mostrando que governantes como os que derrotamos são como um câncer na sociedade, suas realizações que não podem ser negadas, são infinitamente inferiores ao bem que poderiam ter realizado e suas seqüelas são nefastas, pois, o preço pago pelos poucos serviços prestados causa uma série de barreiras para outras ações, a exemplo do endividamento de mais de 35 milhões a curto e médio prazo aqui de São Gabriel, destacando a apropriação indébita do dinheiro do servidor que não havia sido depositado no instituto do IPRESG desde 2009 e chegou à casa de mais de 6.5 milhão, não somado neste valor de 35 milhões outras dívidas mais antigas como a dos precatórios que ultrapassam a caso dos 12 milhões.

Pode-se usar como exemplo das seqüelas deixadas ao longo do tempo de uma má gestão, o fato do Município neste momento estar sofrendo as conseqüências das fortes chuvas e saber que muitas pontes, bueiros, estradas estão danificados e recentemente, no ano de 2011, por absoluta incompetência do ex-prefeito, foi devolvido ou não chegou a vir mais de 1 (um) milhão de reais, que poderia prevenir e amenizar os prejuízos e sofrimentos de centenas de pessoas. Por isso o desespero de alguns vereadores que, coagidos com a incompetência do governo do qual faziam parte, tentar com sensacionalismo barato criticar as ações das quais poderiam ter feito e não fizeram. 

Mudar a forma de governar é dar chance para que pessoas de boa índole se destaquem e querendo, um dia ocupem uma posição política relevante. É urgente e necessário que não elejamos mais Vereadores e Prefeitos que angariem votos na falsa promessa, no assistencialismo barato, na compra do voto, se digam do povo com beijos e abraços e depois vivam em rodas fechadas no cotidiano de hábitos caros e imorais.
A melhor maneira de ver quem fará alguma coisa é olhar para seu passado e presente, é perceber se esta pessoa aproxima seu discurso da prática. Aqui em São Gabriel o atual Prefeito Roque, foi Provedor (Diretor) da Santa Casa de Caridade, quando estava por fechar. Em poucos anos transformou e levou do caos a superação, instituição que não possui dívidas, acesso todos os recursos Federais porque possui todas as negativas, com uma infra-estrutura invejável. Logo, podemos dizer que este governante aproxima seu discurso de bom gestor com a prática, pois, ao contrário das demais 2.1 mil Santas Casas que possuem R$ 15 bilhões em dívidas com a Receita Federal, fornecedores e sistema financeiro - dados retirados do artigo de autoria de Julio Dornelles de Mattos, Presidente da Federação das Santas Casas, publicado na pagina 21 da Zero-Hora de 18 de novembro de 2013 - a Santa Casa de São Gabriel não deve nada.

Guilherme Nascimento Abib.
Presidente do PT São Gabriel.

...além de muito trabalho, devemos seguir mostrando que governantes como os que derrotamos são como um câncer na sociedade, suas realizações que não podem ser negadas, são infinitamente inferiores ao bem que poderiam ter realizado e suas seqüelas são nefastas.