sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

PÁGINA TRÊS - Antônia Laísa



CASO CORSAN X PRIVATIZAÇÃO

Várias pessoas me questionaram dizendo que esse espaço havia deixado a desejar, por não ter questionado o vereador Cilon Lisoski, com relação a municipalização da água. Fui atrás do vereador, a pedido dos nossos estimados leitores, e fiz a seguinte pergunta ao nobre edil: Porque o senhor defendeu a permanência da Corsan e não exigiu ou apresentou algum projeto de municipalização, a exemplo de outros municípios?
“A defesa do vereador e cidadão Cilon Lisoski para a permanência da Corsan é muito simples e posso enumerar:
a- É uma empresa pública de todos os gabrielenses e de todos os gaúchos. b- Distribui água com excelente padrão de qualidade e controle de infecções. c- O lucro da Corsan é distribuído entre os trabalhadores gabrielenses e outros gaúchos e não vai parar na mão de um único dono e em paraísos fiscais. d- Atendimento direto nos escritórios da companhia e não via telefone (0800..). e- Possibilidade de negociação direta com os funcionários sem inclusão no serasa e spc por falta de pagamento. f- Tarifa social. g- Investimentos federais e estaduais que só podem ser feitos em empresas públicas. Entregando para empresa privada perderemos milhões de investimentos que estão chegando através da presidenta Dilma e do governador Tarso. h- A proposta da Corsan é maior em investimentos que o da Revita ou Solvi ou OAS ou qualquer um dos seus codinomes. i- A Corsan, mesmo com seus problemas políticos que sabemos que temos que erradicar, não está envolvida em escândalos financeiros em todo o Brasil.
Enfim, como já deixei bem claro, sou a favor da água pública, tanto é que tentei emendar a Lei Orgânica do Município proibindo entregar este serviço a empresas privadas mas fui vencido pela voracidade do Sr. Prefeito municipal e sua base aliada na câmara municipal”.

O MESMO GOVERNO...

Já li por diversas vezes as colocações do diretor do Cenário de Notícias, Cleber Giovane, quando ainda escrevia neste espaço, a respeito de que São Gabriel vem sendo administrada há mais de duas décadas pelo mesmo governo. Concordo, pois tanto Balbo, quanto Rossano, nesses mais de 20 anos, tiveram em comum, além dos secretários, muitos CCs. As administrações idênticas e, sem efeito para a coletividade, pelo menos no meu ponto de vista, é própria dos dois governos. Tanto é verdade que a cidade está estagnada, inerte e paralizada no tempo, se comparada com outros municípios. O exemplo dos dois como bons administradores aconteceu na vida “privada”. Um foi administrador do Frigorífico Gabrielense. Cadê o potente frigorífico? O outro administrou a Corlac. Cadê a Corlac? É, ambas empresas sucumbiram. Ainda bem que a nossa prefeitura tem um caixa forte e resistente. E o hotel da BR290 será que resiste?

DA SIBÉRIA AO POSTO DE SECRETÁRIO

A dificuldade que esse governo está tendo para formar seu secretariado, mesmo já ultrapassados dois anos, mostra o quanto está “queimada” a administração. Na semana passada, depois de oferecer à diversas pessoas a Secretaria de Serviços Urbanos, e não tendo conseguido êxito nos convites, o prefeito, nomeou como secretário, exatamente o homem que há um tempo atrás, teria sido mandado, pelo próprio prefeito, para oficina da prefeitura (a famosa Sibéria), por ser de suma confiança do ex-prefeito Balbo Teixeira e por ter atuado na gestão do ex-prefeito como secretário municipal. Luis Fernando Porto que é concursado da prefeitura volta a “cena”, agora como secretário do prefeito Rossano. De inimigo político à companheiro. Essa é a real política gabrielense!

O RETORNO

Assume nesta quarta-feira, a pasta de Indústria e Comércio do Município, o empresário e ex-secretário da Fazenda, Paulo Cesar de Medeiros Braga. Com a nomeação de Paulo Braga, o prefeito Rossano Gonçalves completa novamente o seu secretariado. Das três secretarias que estavam vagas, duas eram ocupadas pelos tucanos (PSDB), no entanto a de Serviços Urbanos e Indústria e Comércio. Uma secretaria (Turismo) era ocupada pelo (PSB), partido da vice-prefeita Sandra Weber. Com o rompimento com esses partidos, Rossano entregou duas secretarias ao seu partido, PDT, no caso, Turismo que assumiu Nairo Gonçalves e agora a Indústria e Comércio, que assume Paulo Braga. A Secretaria de Serviços Urbanos foi entregue ao funcionário público Luis Fernando Porto (que está sem partido), conforme informações, mas que teve uma forte influência do vereador do PTB, que inclusive fez a indicação.

QUEM TINHA "3", ACABOU SEM NENHUMA

Já se comentava na cidade que o nosso PTB estaria assumindo três pastas no governo Rossano. O presidente da sigla, vereador Adão Santana, até disse sim, pois assumiria a Secretaria de Serviços Urbanos. Só que com os desdobramentos políticos, mais uma vez o prefeito Rossano deixou os petebistas “sentados na mochila”. Pegou mal essa!!!