sexta-feira, 23 de novembro de 2012

SINDSAÚDE PARTIIPA DO SEMINÁRIO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA 2013


Nos dias 13 e 14 de Novembro de 2012 o Sindsaúde de São Gabriel participou em Porto Alegre de um Encontro onde foi debatido com os demais Sindisaúdes do estado do Planejamento Estratégico 2013 da Federação dos Empregados em Estabelecimentos e Serviços de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul –
FEESSERS.
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013 – FEESSERS - SISTEMATIZAÇÃO
1. Problemas e Demandas:
1.1. Pouca motivação, participação e comprometimento de alguns dirigentes sindicais;
1.2. Falta de conhecimento sobre sindicalismo por parte de alguns diretores dos SINDISAÚDES;
1.3. Falta de planejamento de ações como na campanha salarial;
1.4. Ausência de piso salarial diferenciado por funções dentro da categoria;
1.5. Dificuldade de alteração da faixa do piso regional;
1.6. Falta de formação sindical;
1.7. Falta de valorização do trabalhador da saúde;
1.8. Falta de participação da categoria nas atividades sindicais. 
2. Meios Necessários:
2.1.   Recursos financeiros e recursos humanos
2.2.   Formação motivacional para os dirigentes e para a categoria;
2.3.   Fortalecimento da diretoria dos sindicatos para que possam unificar a mesma com a categoria e assim alcançar uma maior participação de ambos;
2.4.   Pesquisa qualitativa dos desejos e necessidades dos trabalhadores;
2.5.   Oficinas de debate sobre a saúde dos trabalhadores da saúde;
3.   Ações:
3.1.  SINDISAÚDES discutirão internamente até o inicio de 2013 o tipo de formação que deseja e montar um calendário em conjunto com a Federação;
3.2.  Usar melhor os meios de comunicação; planos conjuntos com operadoras de celular para melhorar informação interna; definir melhor meio de comunicação local; alimentar a federação e a comunicação sobre suas agendas, notícias e situações de crise;
3.3.  Colocar o nome dos sindicatos que apóiam os movimentos nos panfletos;
3.4.  Descentralizar as reuniões mensais da diretoria da federação, unificando com um debate sobre um tema de interesse coletivo aberta à sociedade; trabalho de apoio por parte da direção da FEESSERS ao sindicato anfitrião, antecipando à ação junto aos trabalhadores, à mídia e à comunidade;
3.5.  Implantação de convênios com a obtenção de descontos favorecendo os associados;
3.6.  Ações voltadas para os trabalhadores nas datas comemorativas; padronizar um cartão da federação dirigido aos trabalhadores; 
3.6.  Rodízio da participação dos diretores dos sindicatos nos eventos da federação;
3.7.  Participação efetiva e estímulo nos Cerests, nas Cipas e nos conselhos municipais da saúde a preocupação com a saúde do trabalhador da saúde;
3.8.  CNTS e Federação devem acionar os órgãos do ministério da saúde que tratam da saúde do trabalhador para melhorar as condições de trabalho da categoria; federação pode encaminhar via política nacional de segurança e saúde do trabalho;
3.9.  Resgatar as políticas públicas de saúde do trabalhador nas três esferas de governo; pensar um evento sobre saúde do trabalhador da saúde;
3.10.  Encaminhar a luta pelos dois pisos regionais para técnicos e auxiliares.
4. Plano de Lutas:
4.1.  Manutenção e valorização do piso mínimo regional e mudança de faixa para os trabalhadores da saúde com piso diferenciado para auxiliares e técnicos de enfermagem;
4.2.  Campanha contra a intervenção do judiciário nas organizações sindicais;
4.3.  Estabilidade de todos os dirigentes sindicais;
4.4.  Aprovação do projeto de lei do senador Paulo Paim que regulamenta o financiamento das entidades sindicais;
4.5.  Política de regulamentação do dimensionamento de pessoal;
4.6.  Redução da jornada de trabalho para todos os trabalhadores da saúde, sem redução de salários;
4.7.  Cobrar dos órgãos públicos e autarquias o retorno quanto às denúncias realizadas;
4.8.  Cobrar do gestor público a fiscalização sobre a aplicação dos recursos públicos;
4.9.  Remuneração dos serviços de saúde por custo e não por tabela e produtividade;
4.10.  Criação de um Fundo Único para a Saúde;
4.11.  Buscar a fiscalização dos órgãos públicos, quanto ao Pcmso e ao Ppra;
4.12.  Buscar a implementação de mesas negociais para debater as relações interpessoais;
4.13.  Implementar comitês de mulheres, jovens, raça, gênero, LGBT e aposentados nos sindicatos;
4.14.  Pesquisa sobre adoecimento dos trabalhadores da saúde.
4.15.  Cobrança pela redução da anuidade do COREN.

O presidente do Sindsaúde, Cassimiro Cruz, relata que foi 02 dias de muito trabalho, sendo levantado: 1º - problemas e demandas; 2º - Meios necessários; 3º – Ações; 4º - Plano de Lutas para 2013. O presidente relata da importância do planejamento das entidades sindicais para que possamos desenvolver um trabalho em prol da categoria, não só por reajuste salarial, mas também por melhores condições de trabalho, isso só será possível com um bom planejamento.