quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Animais peçonhentos aumentam sua atividade com o calor

Os acidentes envolvendo animais peçonhentos aumentam consideravelmente nos meses mais quentes. Durante o verão, alguns fatores contribuem para que as pessoas fiquem mais suscetíveis a espécies venenosas. Alguns tipos de lagartas de insetos ocorrem apenas nesta época do ano. Além disso, há outros bichos que ficam mais ativos com as altas temperaturas, como serpentes, escorpiões e lacraias. São animais de sangue frio, por isso se locomovem mais com o calor.
Os animais peçonhentos não atacam, apenas se defendem quando se sentem ameaçados. Por isso, a recomendação é para que se mantenha distância. Um dos maiores problemas é que no verão as pessoas saem mais das cidades e procuram o campo para fugir do calor e se divertir. É importante cuidar por onde se anda nesses lugares e evitar caminhadas em matas fechadas ou com vegetação alta. Em situações como pescarias, por exemplo, as roupas adequadas são fundamentais. Para os mais aventureiros, a indicação é calças compridas e calçados fechados.
Além disso, durante atividades externas, as pessoas não devem colocar as mãos em tocas ou buracos na terra, ocos de árvores ou espaços entre montes de lenha e pedras. Nesses lugares muitas espécies costumam se esconder. Na região, os animais peçonhentos mais comuns são escorpiões, aranhas e lagartas urticantes, além de algumas espécies de serpentes, como jararaca, cruzeira e coral verdadeira. A coral verdadeira é bastante comum na mata do cinturão verde do entorno da cidade.
O Ministério da Saúde indica que houve um crescimento de 157% no número de acidentes com animais peçonhentos nos últimos 10 anos.
Somente em 2011, ocorreram mais de 139 mil acidentes no Brasil, com 293 óbitos.
A região Sul registra o maior número de acidentes com aranhas do País. Foram 18.052 casos em 2011.
Em caso de acidentes a pessoa deve ser encaminhada o mais rápido possível para o hospital. Durante o socorro, ela deve se mover o mínimo possível. Já o membro atingido deve ser colocado em uma posição mais elevada em relação ao corpo, enquanto o local da picada pode ser lavado apenas com água e sabão. Substâncias como urina, cachaça e borra de café podem ocasionar infecções e não devem ser utilizadas em ferimentos causados por animal peçonhento.



Renato Dutra Pereira - 1º Sargento Bombeiro